Fósseis: do fundo do mar para o altar!

Situada em frente ao Terreiro de Jesus, a Catedral é uma das mais importantes igrejas da cidade - mãe de todas as igrejas na circunscrição Eclesiástica de São Salvador da Bahia e a catedral da primeira arquidiocese do Brasil. Esquema de caprinídeos: Caprina e caprinula e seus cortes Aqui estão presentes uma infinidade de fósseis de rudistas, animais que viveram na mesma época dos dinossauros.

Os rudistas são um grupo extinto de moluscos bivalves, que existiram durante cerca de 90 milhões de anos, desde o Jurássico superior até ao final do Cretáceo na Era Mesozóica. Eram organismos coloniais bentônicos e viviam em associações recifais bioedificadas. Formavam grandes aglomerados em ambientes marinhos pouco profundos, em águas quentes, tropicais, ficando normalmente semi-enterrados no fundo lodoso com lama carbonatada (ambiente de formação do Calcário Lioz, ver página da Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Praia ).

Os fósseis encontrados no calcário Lioz são os rudistas Radiolitídeos e Caprinídeos e o gastrópode marinho Nerinea.

Observe que em todo piso há umas rodelas brancas parecidas com rodelas de abacaxi, todas essas “marcas” com aspecto espesso e maciço são as paredes das conchas dos fosséis de radiolitídeos. Eles apresentavam a valva inferior (fixa) cônica, podendo esta ser mais ou menos alongada. A sua valva superior (livre) é aplanada, aparentando a forma de "tampa". A depender da forma como a rocha é cortada, o fóssil pode ser cortado de forma longitudinal ou transversal.

Esquema de caprinídeos: Caprina e caprinula e seus cortes

Os caprinídeos tinham a concha formada por duas valvas distintas, uma cônica e se enterrava no substrato lamoso a outra valva era enrolada como "corno de cabra" (capra, caprino, em latim). Este aspecto característico da concha deu origem ao nome dos gêneros mais típicos: Caprina e Caprínula. A espessa parede das valvas possuía canais paleais, o que, em corte, dá à parede da concha o seu aspecto alveoloar característico.

Na escada de acesso a Basílica observa-se os gastrópodes Nerinea. Eles viviam em lagunas marinhas tropicais protegidas da influência direta do oceano aberto, que se formavam por trás dos recifes de rudistas (ver primeira ilustração). Os nerineas surgiram no início do Jurássico, há cerca de 200 Ma e extinguiram-se no final do Cretáceo, há cerca de 65 Ma, na mesma época em que desapareceram os dinossauros. A plataforma de entrada da Catedral Basílica possui a melhor exposição dos nerineas.

Esquema de caprinídeos: Caprina e caprinula e seus cortes






Em toda a igreja há registros fósseis nos pisos, colunas, pias de água benta, escadaria...

Ficha turística

  • Paleontológico
  • Didático / Turístico
  • 20 min.
  • Sem flash
  • R$ 3,00 (em dias sem missa)
  • Seg / Qua / Sex e Sábado (8:00 as 17:30h)
    Terça e Quinta (08:00 as 15:00h)
    Domingo (13:00 as 16:00h)
  • (71) 3321-4573
  • Ótima
  • Latitude: 12°58’21,51”S
    Longitude: 38°30’37,24’’W